Escolhas

As coisas andam um pouquinho baralhadas na minha cabeça...
Até que ponto tem sentido esta luta, esta procura de um novo bebé? Às vezes parece-me que não tem sentido nenhum. Então não estamos tão bem assim?
Valerá a pena todo este desgaste que constitui um ciclo de tentativas seguido de uma desilusão?
Depois há esta ambivalência que sinto, quero um positivo mas também não quero... Tenho medo!
Pergunto-me, queres passar por toda essa ansiedade, por todo esse stress, por todo esse medo outra vez? Não, não quero!
Queres desistir? Também não! Não quando uma grávida ainda me faz impressão, não quando a minha sobrinha mais pequenina ainda me causa um aperto no coração e, principalmente, não quando a Mariana ainda fala tanto na mana/o que um dia terá aqui, com ela.
Devia parar agora, fazer uma pausa por uns meses. Sei que este ciclo provavelmente já não irá dar em nada, a descida de temperatura hoje (5º dpo) dá indicações nesse sentido, e engravidar nos próximos tornará complicados os trabalhos do Verão, o que não seria justo para algumas pessoas e, possivelmente, também não será uma atitude muito sensata, mas o tempo, neste caso, é nosso inimigo e, decidindo seguir em frente, não posso adiar, não posso esperar…
Não é fácil. Como dizia alguém, a vida é feita de escolhas e, se pensarmos que, muitas vezes, estas significam um ponto de não retorno, temos que as pensar bem e procurar escolher da melhor forma possível, para que possamos olhar para trás sem arrependimentos.

Comentários