Diário

Em tempos, já bastante longínquos, tive um diário. Era um daqueles livros com capa a imitar o couro e cadeado.
Embora me tenha sentido muito importante e crescida quando o recebi, nunca fui muito cumpridora quanto às anotações do dia-a-dia. A escrita nunca foi o meu forte e já aí se fazia sentir essa falha. Sempre fui muito telegráfica e concisa naquilo que escrevo e, claro, também um bocadinho preguiçosa.
Este cantinho surgiu quase como um diário. Não tanto com o objectivo de fazer o relato dos acontecimentos diário mas, principalmente, da necessidade de deitar para fora aquilo que me enche a alma.
Podia ter feito o mesmo com caneta e papel, até comprei um caderninho para esse fim, mas para mim, por muitos e variados motivos, não resulta.
Assim, a medo, experimentei esta aventura do blog, de início ponderando bastante se o fazia privado ou aberto, optei pelo segundo, pois penso ser esse o objectivo de um blog. Mas, ultimamente, tenho pensado muito na tal filosofia do diário de antigamente e a magia do seu cadeado, sim, porque era isso que fazia toda a diferença e o tornava tão importante, e, sendo assim, não seria mais lógico privatizar?
Pois é, tem sido esse o debate dos últimos tempos: privatizar ou não?

Comentários

Pretty Flower disse…
Eu acho que não fazia muito sentido já que alguns dos comentários que aqui são feitos te consolam a alma (e apesar da opinião ser tua) se tivesses um blog privado (acho que privado não pode ter visitantes certo?) não poderias ter comentários, que de certo modo te fazem ver o mundo com outros olhos... pelo menos é assim que acontece no meu blog, acho que também acontece no teu.
A decisão é tua e eu não queria mesmo meter-me no assunto, apenas queria dar a minha opinião...

beijinhos*
Maria disse…
Não, eu não disse que ia privatizar. Simplesmente é sempre uma possibilidade e, realmente, às vezes penso nisso, mas até hoje tem falado sempre mais forte aquele que eu considero ser o espírito blog, aberto a quem quiser ;)
bjs