Maternidade V

A Primeira vez que olhei para o rosto da minha criança, não pensei: "a minha criança". Não reclamei nenhuma posse. Transportada pela fascinação para um lugar para além da ternura, fui respeitosa e séria, fui uma criatura ferozmente agarrada à vida a saudar outra, acabada de chegar. Então - pumba - desembrulhei o pacote completo: ternura, sim; espanto e expectativa, euforia e desespero; dor, e esforço e raiva e gratidão sem limites. A minha menina e eu fizemos tudo ao contrário, ao contrário e certo. Ela reclamou a posse. Eu é que nasci para ela. "És minha", gritou ela, com as mãos a estenderem-se para a minha cara, e nunca houve nada de mais verdadeiro.

(Marisa de Los Santos - Dá-me o Teu Amor)

Comentários

mãeee disse…
Curioso: gostei muito de ler esse livro e essa foi uma das passagens que mais me marcou :)
beijos muitos
Anne disse…
lindo. magnifico! =D
Madame Pirulitos disse…
Não coneço o livro... mas mais um que quero ler, definitivamente!

Lindo, lindo, lindo.