Estados de espírito

Os meus andam "flutuantes", entre a alegria e a felicidade por esta vida que vai crescendo dentro de mim, e o medo e ansiedade que me vão acompanhando desde o inicio.
Os últimos dias têm sido de neura e uma certa impaciência. Estou cansada do stress e da ansiedade. O tempo é uma coisa estranha, pois parece-me, ao mesmo tempo, lento e rápido. Lento para ter a Gabi no colo e respirar de alivio, rápido porque tenho tudo por fazer e a vontade é relativa.
Pensei sempre que, com o avançar da gravidez, tudo iria ser mais fácil mas não é assim.
É tudo tão diferente agora do que foi da Mariana. Esta parece a primeira gravidez, sinto-me um pouco perdida, cheia de dúvidas e incertezas. Quando foi da Mariana havia muito mais calma, tinha muito menos dúvidas. Realmente somos uns seres estranhos.


Post confuso este, mas não faz mal, 
é um pequeno retrato do que vai cá dentro...

Comentários

Anónimo disse…
Feliz daquele que é ignorante...Vai tudo correr bem vai ver. Tem que correr. Em breve terá a Gabi consigo, depois é ver o tempo a correr. Mtas Felicidades.
Revejo-me TANTO nas tuas palavras… mas sabes o que sempre me dizia o meu marido e hoje dou comigo a dar-lhe toda a razão do mundo?!

Iremos andar sempre preocupados com o Xavier, principalmente depois dele nascer!

Quando dizes que ‘…ter a Gabi no colo e respirar de alivio…’, tu, como mãe que és, sabes que JAMAIS conseguirás respirar de alívio por isso tenta relaxar :o)

Ouve o teu coração porque ele nunca se engana… tenho a certeza que ele te diz muitas vezes como a Gabriela está a crescer com saúde e que vai correr tudo bem, mas o mais certo é que nem sequer ouças, devido ao excesso de ‘barulho’ que vai dentro da tua cabeça…

Somos seres estranhos, lá isso é verdade, mas promete-me que vais parar para, pelo menos, tentares ouvir o teu coração… ok?

Continuem bem e que a serenidade te ataque verdadeiramente ;o)

Xi ♥
Tété & Xavier
Maria disse…
É verdade, tens toda a razão, ter um filho é, como dizia alguém, viver com o coração fora do peito.
Bem sei, por experiência própria, que não é te-los no colo que torna tudo mais certo, mais seguro. A diferença é que, enquanto estão cá dentro, não os podemos ver, temos que confiar apenas no coração, como muito bem dizes.
O meu coração diz-me que está tudo bem com a Gabi mas às vezes a cabeça não ajuda, ela e as hormonas...
A serenidade vai-se conseguindo, não total mas dentro da medida dos possíveis, aquela medida que o ACREDITAR com muita força me tem trazido ao longo desta gravidez, mesmo quando é pontuada mor momentos de maior insegurança.
bjs e obrigada pela força