quinta-feira, 28 de abril de 2011

Agora que está quase a terminar

Aqui chegam as notícias do dia.
Fomos conhecer o novo Hospital Pediátrico e experimentar as novas instalações. Pode-se dizer que são bem melhor do que as velhinhas mas, como novas para nós, lá andámos ás voltas, às vezes pelos caminhos mais compridos, em busca do que queríamos. Lá fizemos o percurso habitual, agora tudo no mesmo edifício: consultas externas para dar entrada - imageologia para o rx - consultas externas esperando que nos chamassem para o passo seguinte - ortopedia onde foi espera e mais espera até que, finalmente, lá chegou a nossa vez.
Resultados: a escoliose não se agravou e a curvatura continua nos seus 58º, o rx mostrou que a coluna não crescerá mais e, por isso, a miúda não passará do seu 1,50m. Perante este cenário, estávamos em momento de tomar decisões, não esquecendo que, até aqui, a cirurgia continua a ter um objectivo essencialmente estético.
A miúda já se tinha decidido e optou por ser operada. Pai e mãe, embora cheios de medo, apoiam-na a 100% seja qual for a sua decisão. Médico acha ser esta a melhor decisão, agora apenas pelo aspecto físico mas, mais tarde (a muito longo prazo) para a manutenção da qualidade de vida da Mariana.
Embora agora seja apenas a estética que está em questão, este é um aspecto importante pelo que significa psicologicamente. Nestas idades não é fácil ser diferente e, principalmente, não é fácil ser excluído. A Mariana até lida muito bem com o problema que tem e com a deformidade que daí advém mas, e há sempre um grande MAS, existem os outros e, entre estes, há os que encaram tudo com naturalidade e há aqueles que a excluem apenas porque usa um colete ortopédico, porque, de alguma forma, é diferente.
Ela diz que não se importa, que gente assim não vale a pena e que, afinal, tem muitos e bons amigos que realmente o são de verdade. Mas nós sabemos que não é bem assim, tudo isto marca e, geralmente, não o faz da melhor maneira.
Agora esperamos pela próxima etapa: nova consulta em Setembro, acompanhada de rx, e a experiência de uma ressonância magnética pelo meio.
Hoje não se adiantaram pormenores quanto à cirurgia, ficará, provavelmente, para a consulta de Setembro. De qualquer forma viemos mais leves, se assim se pode dizer, a decisão está tomada e acreditamos ser a melhor para a Mariana, mas que gostava de saber o resultado antes, ai isso gostava!!!


A mini esteve bem na sua nova experiência. A miguita sobreviveu sem grandes mazelas. A mãe sentiu falta da pulguinha... ;)

5 comentários:

Mami ( Sónia ) disse...

Tens uma filha cheia de coragem!
Acho que ela faz bem , afinal é como dizes não é apenas a estética que está em causa. quando se livrar do colete vai ser como se tivesse uma nova vida.
Beijinhos

Pipa disse...

O importante é que ela se sinta bem!
Cada vez mais a estética é importante... e se nós, pais, conseguimos pôr isso de lado, em troca de menor sofrimento, eles não pensam assim, e ainda bem!
Ela facilitou-vos a vida e tomou a decisão!
Agora cabe-vos apoiar, claro!
Muita força! Vai correr tudo bem!

Magda disse...

A Mariana parece muito consciente, fez bem em tomar a decisão e é importante esse vosso apoio!!! Que corra td bem querida* =)

Atena disse...

também estive a um passo de fazer a mesma cirugia que a Mariana, há uns 25 anos atrás... tinha na altura uns 13-14 anos, e duas escolioses a passar os 50 graus cada uma. Hoje tenho 39 anos, não foi operada ainda , mas as dores por vezes são muitas. Podereí ser operada quando se tornar imperioso e opteí por ser assim, mas penso que actualmente as coisas estão bem mai evoluidas e o melhor que a Mariana faz é sê-lo já com menos idADE. Abraço e muita força

Em Lisboa disse...

A nossa filha tem 13 anos. Tem escoliose com 60 graus e vai ser operada em Setembro. Mede 1,52. Com a operação logo no primeiro dia vai aumentar 6 cm. A operação à escoliose não tem a ver com questões estéticas unicamente. Tem também a ver com a postura, o andar, a respiração, os pulmões, coração e outros orgãos internos. Com o passar dos tempos e o agravamento da escoliose, a compressão interna é muita e pode provocar danos graves em alguns orgãos internos. Fora a parte estética que pode provocar danos psicológicos especialmente no que se refere à autoestima.
A nossa filha nunca usou coletes. Pelo menos o médico dela deixou claro que não valia a pena submete-la a essa coisa já que em casos como o dela - escoliose estrutural idiopática - não esses coletes em nada contribuem para a correcção, acabando sempre por agravar e mais cedo ou mais tarde ser necessária a cirurgia. O sucesso ou insucesso da mesma depende de muitos factores mas um dos principais é a elasticidade da coluna e quanto mais novas maior a elasticidade. Não tem sido fácil para nós lidar com isto e temos procurado na internet pessoas que tenham filhos adolescentes com o mesmo problema e que tenham sido recentemente operados à escoliose. Tomar esta decisão foi um pesadelo. Mas tomámos e aguardamos por Setembro, com calma, mas sem que isto nos saia do pensamento. Dia a dia as dúvidaas aumentam. Vai correr bem? Como vai ela reagir? Vai resultar? Vai haver algum problema? Vai corrigir e resultar mesmo? Como via ser deppois de sair do hospital? Como vai ficar a costura? Enfim, são tantas as perguntas..... tantas as dúvids. Se fizemos bem ter tomado eswta decisão? Achamos que sim. Se por um lado estamos doidos de preocupação pelo menos sabemos que fizemos tudo o que pudemos. Devo dizer que com 60 graus de curvatura, não só se nota bem como está torta, como o rosto também já está a desviar, sim porque o cérebro acompanha os desvios e vai reposicionando o rosto de acordo com o desvio, como andar começa já a ser o sacrifício, por causa das dores e porque tropeça constantemente nos próprios pés. Escolhemos um bom médico. Vamos ver. Entretanto se conecerem alguém que tenha feito esta operação recentemente e que queira patilhar deixo aqui o meu e-mail: eugeniaquartin@gmail.com.
Obrigada