segunda-feira, 31 de dezembro de 2012

Que o saibamos tornar mágico e colorido

Para lá de todo o cinzento da crise...

Feliz Ano Novo!!

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Feliz Natal!!


sábado, 22 de dezembro de 2012

E como o prometido é devido...

Aqui estão elas, zimtsterne e spekulatius!


Sabores e aromas do meu Natal...

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

Quebra Nozes - 120



Desde sempre o meu preferido :)

domingo, 16 de dezembro de 2012

Memórias...

Hoje foi dia de preparar as massas.
Amanhã tendem-se, cozem-se e depois pincelam-se com a glasse de rum, mais ou menos colorida conforme a vontade do momento.
Desde que me lembro estiveram sempre presentes no meu Natal. Guardo a memória da minha avó na cozinha em Sintra, o cheirinho das especiarias das bolachas acabadas de fazer a espalhar-se pela casa, e o processo seguinte da pintura. Ela dava-se ao trabalho de pintar cada coisa com a sua cor, o saco e as botas do Pai Natal em castanho e o fato encarnado, a árvore verde, os anjinhos variavam entre o azul e o rosa claro, as estrelas brancas, bem como a lua, e ainda havia o sino de cor amarelada.
Agora já não é a minha avó que as faz mas a tradição mantém-se e o cheirinho das especiarias continua sempre presente, a lembrar velhos tempos, a criar novas memórias...

Depois de feitas, mostro-as aqui ;)

sábado, 15 de dezembro de 2012

Gabi e as palavras...

Há muito que tinha este post começado mas, porque alguma coisa me interrompeu, ficou adiado, em rascunho até hoje, 3 meses passados sobre o assunto. Porque quero recordar todas estas etapas, aqui fica agora, devidamente actualizado.

Aos 20 meses dizias pai e mãe nítidamente, finalmente! Aos poucos foste aumentando o teu vocabulário e, a estas palavras, adicionaste:

papá - papar
pé - pé, meia, sapato
cocó - cocó, fralda, papel higiénico
acha - bolacha (só às vezes)
ai - mais
tátá - já está
aiai - água
gu - Roo

Também já sabias:

onde é o pé - em ti, em nós, nos bonecos e nos livros
onde é o nariz - em ti, em nós, nos bonecos e nos livros
onde é a barriga - em ti, em nós
onde é a mão - em ti e nos bonecos
onde é o braço - em ti
onde é a cabeça - em ti
onde são as orelhas - em ti (faz um som para orelha)
onde é a boca - em ti, em nós e nos bonecos


E porque passaram 3 mese sobre o assunto, vamos então às actualizações. Como é natural, aumentaste o teu vocabulário e alteraste algumas palavras. Assim:

papá passou a papi - papar
tátá passou a ya tá - já está

e agora também dizes:

óia - olha
mama - mana
mne - menina E.
mão - mão
pão - pão
cão - cão
mau - gato
pau - Paulo
cácum - xuxa
rrrr - liquidificador
au - árvore de Natal

pronuncias, também, alguns sons para coisas específicas, como orelha, mas que não consigo reproduzir...

Quanto ao resto... pois sabes tudo o que devias saber. Sabes onde está tudo, o que é e para que serve. Imitas tudo o que te apetece e achas engraçado, gostas de ajudar (mas q.b.), e deliras muito mais com carros, motas e camionetas (especialmente de carga, pois és uma tranportadora nata!) do que com bonecas. Estás uma espertalhona engraçada (diz a mãe mas sou suspeita... ;)).

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

9 today :)


Porque um país sem crianças é um país sem futuro

Não que a vontade de ter filhos não esteja presente mas por tudo o que aqui se diz, não é fácil.

Há que pensar e repensar o futuro que queremos...
 

domingo, 9 de dezembro de 2012

Gabi, a artista 2

Ontem falaram-me de uma esponja mágica, que tudo apaga. Numa ida às compras encontrei-a e comprei-a, acreditando pouco que resultasse. Mas enganei-me redondamente, resultou mesmo e, num instante, as paredes cheias da arte de D. Gabi voltaram ao normal.
Tudo estaria bem não fora a mini dar por falta dos rabiscos de sua autoria. Hoje apercebeu-se da sua ausência e, algo incrédula, apontava para a parede e dava-lhe pancadinhas, correu todos os cantos onde deixara a sua marca e, já de testa franzida e ar pouco feliz, agarrou no lápis de carvão e toca de tentar refazer tudo, mas desta vez a mãe estava atenta e não deixou!














Mas, aqui para nós, ao mesmo tempo que tive de fazer esforço para não rir desta busca pelos rabiscos, deu-me uma pena, que até me cheguei a "arrepender" de ter apagado a arte de D. Gabi...

sábado, 8 de dezembro de 2012

A Ti


sábado, 1 de dezembro de 2012

Hoje por cá...












Fotos tiradas pela mana grande :)

Gabi, a artista!

Para dor de cabeça da mãe...


Onde desencantou ela o lápis de cera azul é coisa que não sei, mas o resultado está à vista.

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Parabéns Mãe

Nós. Ela e eu...

Pois...


sábado, 24 de novembro de 2012

Parabéns mana!!


sexta-feira, 23 de novembro de 2012

7 today :)


sábado, 17 de novembro de 2012

Porque sim :)


Cada momento é especial, apenas porque acontece.
Simplesmente isso, para quê complicar...

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

Chegou assim, inesperada

E com ela veio o aperto e a saudade...


Um beijo filha, daqui até aí...

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Em resumo...

Este foi um fim de semana daqueles especiais. Porque estivemos todos, bem, nem todos mas quase, e foi tempo de matar saudades, muita conversa, e todas aquelas coisas que sabem sempre bem.
Em fim de semana de festejar com a bisavó, foi tempo também de levar a miúda, que se "encontrou" nas artes, a conhecer uma obra de referência. E foi bom vê-la comentar e reconhecer as várias técnicas, desde os desenhos a grafite aos pastéis, passando pela tinta da china, água forte e outros mais. Ficou feliz e nós, claro, também.


Que bons foram estes dias e como passaram rápido...

quinta-feira, 8 de novembro de 2012

Há pessoas assim especiais...


Parabéns Bi !

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Faz hoje 17 anos do início de uma aventura sem fim!

Sim, foi no dia 7 de um outro Novembro, que me estreei nesta aventura mágica que é ser MÃE!
Foi assim mesmo, entre o incrédula e o maravilhada, com um sorriso que não controlava e num turbilhão de emoções, que recebi aquela risquinha tão especial...


E desde então, sou porque tu és 


E desde então és sou e somos...

E por amor

Serei... Serás...Seremos...

(Pablo Neruda)

sábado, 3 de novembro de 2012

Manas :)


Cada filho é único e diferente.
Esta é uma máxima muito acertada e confirmada pelo que se vai passando aqui por casa. São tão diferentes as minhas filhas mas tão únicas também!

quinta-feira, 1 de novembro de 2012

Por aqui...

Cheira a canela e erva doce.


A culpa é toda destes deliciosos pãezinhos dos santos!

A abrir Novembro


As ideias de D. Gabi :)

quarta-feira, 24 de outubro de 2012

EDUCAR…

Educar é viajar no mundo do outro sem nunca penetrar nele.
É usar o que pensamos para nos transformar no que somos.
O maior educador não é o que controla, mas o que liberta.
Não é o que aponta os erros, mas o que os previne.
Não é o que corrige comportamentos, mas o que ensina a reflectir.
Não é o que observa apenas o que é tangível aos olhos, mas o que vê o invisível.
Não é o que desiste facilmente, mas o que estimula sempre a começar de novo.
Um bom educador abraça quando todos rejeitam.
Anima quando todos condenam.
Aplaude os que nunca subiram ao pódio.
Vibra com a coragem de disputar dos que ficaram nos últimos lugares.
Não procura o seu próprio brilho, mas faz-se pequeno para tornar os seus filhos, alunos e colegas de trabalho, grandes…
Que educador daria conta desta missão?

 (Fernando Pessoa)

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Porque é que as pessoas, logo que crescem, deixam de voar?

1 Todas as crianças olham as pessoas nos olhos porque sabem que, partindo deles, se chega, num instantinho, ao coração. Se o coração das crianças fosse uma casa, teria uma porta colorida. E janelas, de cortinados aos folhos e com sardinheiras debruçadas. Seja como for, o coração das crianças parece uma longa gare, na véspera duma festa. Atravessam-no corrupios de sentimentos que, logo que desaguam, prontamente abalam, de seguida. Visto de lá, o mundo não é bem um lugar onde todos co-habitam, mas um sítio buliçoso, onde se fala e se convive. Onde se trocam abraços. Onde se esboça um ou outro adeus, contrariado. E as lágrimas crepitam, aqui e acolá. E onde, ainda, na hora do regresso, depois de se voar (porque as pessoas, quando se entusiasmam, voam sempre um bocadinho) não faltará uma janela aberta à sua espera. Para voltarem.

 2. Eu sei que voar é uma forma quase enfadonha de falar do que somos capazes quando escorregamos do olhar para o coração. Mas fiquemo-nos por ele. Porque é que as pessoas, logo que crescem, deixam de voar? Eu acho que as pessoas, quando crescem, se tornam um bocadinho sem-abrigo. Porque lhes falta uma janela – entreaberta, que seja – à sua espera. Deixam de acreditar em fadas e em bruxas, mesmo sabendo que elas moram por aí, fora das histórias. E, se se fiam no Pai Natal, é com vergonha. Acham que o coração se torna um órgão cor-de-rosa, esconso, com quatro cavidades. Sem janelas, nem mansardas nem guaritas. A mim, parece-me que as pessoas, quando crescem -, sem saberem porquê - só brincam às escondidas. Não choram no cinema. Deixam de saber como se ri até às lágrimas. E perdem, o jeito - bom e batoteiro - de espreitar as conclusões antes de folhearem qualquer história. Se não se perdem nas histórias, as pessoas desistem de voar. Deixam de ter várias vidas. E, em todas aquelas onde, teimosamente, ainda se barricam, morrem para a vida eterna. Muito, muito antes, do seu entendimento lhes cochichar que já morreram. Parece-me que, quando crescem, as pessoas só voam quando sonham. E isso não é bem voar; é mais dormir. Deixam de saber como é que, partindo dos olhos, se chega, num instantinho, ao coração. Tornam-se amigas do silêncio. Passam a viver resgatando memórias. E, quando é assim, a esperança (que as memórias constroem, peça-a-peça) fica inquinada de saudade. E desperdiçam as outras vidas (para além da sua) que, sempre que estamos disponíveis para voar, não deixam de se pespegar, por perrice, ao pé de nós.

3. Na verdade, as pessoas, quando crescem, confiam pouco umas nas outras. Não falam dos medos nem das iras. Não falam das mágoas nem do «logo se vê» com que dizem «não» devagarinho. Não falam dos seus encantamentos. Nem das vezes em que se sentem patetas (e como isso, quando acontece aos solavancos, sabe a leite de creme queimado na hora). Não falam dos sonhos de que desistiram como se fossem eles, de birrentos, a encurralá-las nos seus gestos. E não falam das poucas vezes em que não cabem em si. Nem de como, sem darem por isso, não são nem audaciosas nem tenazes. As pessoas, quando crescem, dão-se pouco umas às outras. Se as sentimos com o coração desnorteado no seu peito, sossegando-nos para elas, dizem-nos: «não é nada!». Sempre que choram por muitas razões ao mesmo tempo, para simplificar, choram «por nada». E quando se passeiam pelo desejo, de indecisas, falam como se lhes apetecesse… nada. Muitas vezes, as pessoas, quando crescem, não mentem nem falam verdade. Ocultam-na, que é assim uma forma de transformar o silêncio na maior de todas as mentiras.

 4. Suponho que grande parte das pessoas, quando cresce, se considera apenas suportável. E, muito pior, imagino que vivam essa singularidade como se ela fosse um predicado que lhes mereça algum carinho. Suportável – imagino eu– quer dizer que as pessoas se sentem medianamente aceitáveis e que, por isso, ocupam um espaço pequenino nas suas relações. Parece-me que não é muito diferente de se sentirem desajeitadas para voar. Às vezes, parece–me que sofrem duma epidemia complicada a que elas chamam «vida real», que faz com que a beleza que pulula à volta delas lhes pareça misteriosa e insondável. E que é por ela que imaginam que o mundo vai daqueles que se suportam aos outros, que são insuportáveis. Ora, quando as pessoas são um bocadinho insuportáveis, eu gosto delas. Estão entre imaginar que se voa e aprender a voar. Entre não olhar nos olhos e acreditar que, pela mão de alguém, o coração terá janelas. Digamos que não tem nem acrobatas nem gaivotas. Não me interessa não ter um nome para lhes dar. O importante, de verdade, é descobrir que o coração das pessoas, logo que crescem, deixa de voar. E que elas precisam de se perder nas histórias e ter várias vidas para que ele volte a ter uma porta colorida. E janelas, de cortinados aos folhos e com sardinheiras debruçadas.

Eduardo Sá, aqui

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Coração de mãe...

O coração de mãe está ligado a cada coração de filho por um fio fininho, quase invisível. É por causa deste fio que tudo o que acontece aos filhos faz acontecer alguma coisa no coração de mãe.

(Isabel Minhós Martins)


E há um ano o meu andou apertadinho. A bater cá dentro mas muito longe, sempre ao pé dela, onde eu queria estar e não podia, mas onde ele esteve sempre, porque coração de mãe é assim, vive fora do peito!

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Kindness Boomerang


terça-feira, 16 de outubro de 2012

sábado, 13 de outubro de 2012

Foi há um ano

Que começou a saga...

Realmente o tempo corre!

6


sexta-feira, 12 de outubro de 2012

D. Gabi, a independente!

Acordou mais cedo da sesta, pois que a fralda suja a incomodava. Chorou? Chamou? Não!
Armada de toda a sua independência, achou que dava conta do recado e não teve meias medidas. Lá encontrou forma de tirar os calções (de peitilho, entenda-se!!) e, logo depois, a fralda suja. Foi aqui que começaram os problemas, é que, metida na cama de grades, não tinha como tratar do resto, e foi então que o choro aflito disparou.
Desta vez não houve fotografia, a aflição da mini não o permitiu, mas a imagem era digna de registo com D. Gabi de pé no cantinho da cama, em t-shirt e agarrada aos calções, quais bóias de salvamento, enquanto chorava e, apontando para a fralda na outra ponta da cama, gritava: cocó, cocó!


segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Coisas minhas...

Por aqui a vontade de escrever vai voltando. Devagarinho, um pouco aos soluços, mas sempre à espera de ficar.
As "aventuras" em que me meti nos últimos tempos requerem esforço e adaptação. Em nada se aparentam com o que tenho feito até aqui, de semelhante só mesmo a palavra "prospecção" :). É tudo novo, diferente e longe do que sempre pensei ser capaz (mas nisso nós, seres humanos, somos realmente especiais e vamo-nos adaptando).
Se esta aventura me traz estabilidade? Por enquanto ainda não, nem por isso, mas acredito que lá chegarei. Uma coisa é certa, trouxe-me alguma sanidade mental quando mais precisei e deu-me o tal "empurrão" de que necessitava para seguir em frente, porque esse é que é o caminho, mais rápido ou mais lento, mais leve ou mais pesado, mais alegre ou um pouco menos, mas sempre em frente...

E depois há isto :)


terça-feira, 2 de outubro de 2012

Gosto :)


sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Foi hoje...

O primeiro!

Foi pequenino mas passo a passo se vai fazendo o caminho...

Agora só espero que seja o primeiro de muitos mais.


segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Da "revisão" da mais pequena

Pois que a minha mini continua mini, ainda não chegou aos 80 cm, e mantém-se em estilo peso pluma, embora já tenha chegado aos 9 Kg (+ uns pozinhos...).
Está tudo bem com ela excepto... pois, há sempre qualquer coisita para "chatear", como dizia eu, excepto no que à oralidade diz respeito. Mini está atrasada no falar e começa a ponderar-se a escola. Enfim, temos que pensar nisso mais a sério...


Mini a independente!!  :)

sábado, 22 de setembro de 2012

Agora é que é!


sexta-feira, 21 de setembro de 2012

Parece que chega hoje...

Parece é que me enganei e afinal é só amanhã!! Sendo assim fica este


Logo seguido de este ;)


domingo, 16 de setembro de 2012

Pequenos registos delas

A primeira semana, de aulas, claro, teve um balanço positivo.
Pelo menos assim penso eu... Noto a miúda mais feliz e empenhada. Já não me diz que as aulas são uma "chatice", antes pelo contrário, Desenho é o máximo e Geometria Descritiva é muito fixe.
Esperemos que o entusiasmo se mantenha pelo resto do ano!


A mini ainda não está na escola, como a mãe estava por casa fui ficando com ela. Agora as coisas estão diferentes e andamos em "ginásticas" para conseguir conjugar tudo, há que dizer que, se não fosse a ajuda de uma miguita muito especial, tudo isto seria impossível...  mas cada vez mais vamos procurando onde "esticar", para que ela possa ir para a escola...

Entretanto, já diz "pai" com todo o entusiasmo, "cócócó" (e aqui engrossa a voz e faz boquinha) para todo o galo/galinha que vê, "" é a mais recente aquisição e mais uma série de sons, que não consigo reproduzir aqui mas que já têm significado!

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

Coisas de vestidos

Não sou muito dada a essas coisas de falar de roupa, sapatos e acessórios, mas hoje vou quebrar esta minha "falha" e vou falar de um vestido.
Trata-se de um vestido sem ciência nenhuma, onde os quadradinhos rosa e branco dominam, mas que para mim é precioso, pois este vestido já vestiu a mana e, antes disso, a mãe.


 Agora cabe à Gabi passear-se no meu / nosso vestido :)

quarta-feira, 5 de setembro de 2012

19 anos de Nós...


Imagem de Marie Cardouat

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Gabi em aventuras...

À falta de areia, pois que nada melhor do que...


Isso mesmo, uma espécie de "banho" de papa!!
E eu, quando dei com ela, o que fiz? Um ralhete? Nada disso, toca a sacar do telemóvel e a registar o momento!!

Parece-me que assim não vou longe com as ideia da mini ;)

O que mais me estimula no ser humano é a sua inesgotável capacidade de aprender errando

Passeando pela blogosfera, coisa que ultimamente tenho feito muito pouco, encontrei este texto fantástico, que subscrevo na integra. A minha experiência de vida diz-me isso mesmo.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

sábado, 18 de agosto de 2012

E é isto...


quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Não, não estamos de férias

Apenas dias cheios de trabalho, alguma preguiça e muito cansaço.
Nos intervalos vão ficando registos como estes...
  





Obra da mana :)

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Pedido de ajuda

A quem me saiba esclarecer e dizer como fazer para acabar com o ruído de fundo que se instalou aqui no blog.
Não sei como chegou, o certo é que está cá e instalou-se. Agora só me quero livrar dele!!

Obrigada :)

Relembrando...


e a Gabi acalmava na barriga... :)

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Quem é quem?

 ;)

quinta-feira, 26 de julho de 2012

Avós :)


Imagem aqui, sempre genial!

sexta-feira, 13 de julho de 2012

My pretty little girl

A consulta dos 18 meses ditou então, que D. Gabi está bem e espertalhona, embora preguiçosa para falar mas nada de grave.
Continua pequenina, embora tenha passado o pontinho para a parte superior da linha do percentil 5 com os seus 75,2cm, e um peso pluma de 8,630kg. Esta a única preocupação a ter, no entender do médico. Assim, vamos ter que introduzir mais uma refeição, uma espécie de ceia, que tentaremos seja de leite, alimento que ela resolveu rejeitar nos últimos tempos, caso não seja possível, pois que seja papa. Depois é voltar a pesar daqui a um mês e esperar que tudo esteja resolvido sem complicações de maior!


quinta-feira, 12 de julho de 2012

Prémio Amantes de Verão

Já vem com algum atraso todinho por culpa minha, que tenho tido preguiça de fotografar... Mas, como o prometido é devido, de hoje não podia escapar, aqui está ele!


Obrigado Anocas :)