sábado, 14 de abril de 2012

Sonhos perdidos...

Ao falar de gravidez falamos de vinculação, o mesmo é falar de um desenvolvimento de uma relação afectiva que se constrói em pensamento, afecto e em gestos entre dois seres que partilham uma história, experiências e momentos únicos, vividos a um nível íntimo e exclusivo. E esta vinculação antecede muitas vezes a gravidez uterina num plano mental. 


O fim deste sonho de forma abrupta e inesperada, aquando da perda do filho tão desejado, traz consigo uma dor e sofrimento inexplicáveis e inigualáveis… 


A perda gestacional não se deve obrigar a "esquecer" como se não tivesse acontecido, como se aquele bebé não tivesse existido, antes deve-se encarar esta perda como real., procurando apoio e ajuda em relações reparadoras (dentro e fora da família e da rede social de cada um, pois "UMA DOR EMOCIONAL PRECISA DE TEMPO E DE CIRCUNSTÂNCIAS MUITO REPARADORAS, QUE NÃO SE ADIEM INTERMINAVELMENTE, PARA QUE POSSA VIR A “CICATRIZAR-SE" (E. SÁ)

A ler aqui

2 comentários:

Mamã Petra disse...

Estiveram no programa A Tarde é Sua da Fátima Lopes e fiquei muito emocionada já conhecia a história da Sandra, sigo o blogue dela á uns anos mas é das perdas mais dificeis de se compreender de nos comrpeenderem de nos darem colo de nos darem um ombro.

Beijinhos e um abraço apertadinho, cheio de força.

Maria disse...

É verdade, a tal história do "pacto de silêncio"...
Também me emocionei com a Tarde é Sua, especialmente com a Sara, não consegui conter as lágrimas. E é tão verdade isso da culpa, é tão verdade, também eu senti culpa por continuar a ter fome, por continuar a ter sono...
bj grande