Um pouco mais de mim...

Daqui chegou-me este desafio e eu, porque a preguiça é grande (vergonha!!) e o tempo não é muito, disse que ia fazer batota. Entretanto arrependi-me e vou-me ficar só pela meia batota...

Bem, isto de falar sobre mim tem muito que se lhe diga, é que não é tarefa fácil, mas agora que me comprometi, e não sou de fugir aos compromissos, nem de deixar coisas a meio, vamos lá lançar mãos à obra!

Sou a mais velha de 3, duas raparigas e um rapaz, e sempre quis ter mais irmãos. Claro que, desde logo, assumi o meu papel de mana mais velha e fui sempre um bocadinho mãezinha deles. Embora não chegue a fazer 2 anos de diferença dela, para mim foi sempre a miúda!

Tenho 4 sobrinhas que adoro! Cada uma delas de sua maneira mas todas com um lugar especial no meu coração. A M. é a mais velha, já uma senhora com 22 anos acabadinhos de fazer. Foi a primeira, a minha estreia como tia e como madrinha. Depois chegou a T., a minha apressada, que, embora todos os esforços feitos, chegou no dia em que cumpria as 35 semanas. Dizem que é parecida comigo no seu modo desastrado. Quase de seguida, nem um ano depois, chegou a M., a minha princesa de olhos azuis e mais uma afilhada. Por fim a P., que dizer dela? A P. custou-me de início mas encheu-me o coração logo depois. A Pu é, para mim, um bocadinho da Matilde que não tive no colo...

Tenho pena de não ter a mesma proximidade com o meu sobrinho, o único rapaz, o J. Mas que fazer quando as vontades não caminham todas para o mesmo lado?

Sou mãe de raparigas e é tão bom! As duas tão diferentes e tão únicas completam-se e completam-me, numa equação de 2+3 que me enche o coração.

Gosto de bolas, riscas e quadradinhos. Perco-me por laços e laçarotes, bordado inglês e pequenos pormenores. O azul é a minha cor mas não é a única.

Sou perseverante e resiliente, mas também sou frágil e tenho os meus momentos, que procuro ultrapassar rapidamente, pois a vida é mesmo assim e, por vezes, põe-nos perante situações que nos colocam verdadeiramente à prova. Nessas alturas o que fazer?  Tudo depende da forma como olhamos para a vida e o que queremos fazer dela, a partir daí há que "sacudir", agarrar o que de melhor podemos retirar de cada experiência vivida e seguir em frente. Simplesmente e principalmente seguir em frente!

Não gosto especialmente de falar sobre mim. Sou o que sou e como sou e, como diz Clarice Lispector, "sou como você me vê. Posso ser leve como uma brisa ou forte como uma ventania,depende de quando e como você me vê passar."

E agora chega a parte da batota. Porque acho que já me alonguei, porque já muito fui deixando de mim aqui pelos escritos do blog, remeto então para post's passados esse melhor conhecimento de mim ;)



Comentários

esquecimedeviver disse…
Gostei de saber pequenos pormenores sobre ti.
Como tu, sou a mais velha dos meus irmãos, apesar de nem dois anos de diferença e como tu assumi o papel de protectora.
Gostei tanto da parte onde te assumes, como perseverante, resiliente, frágil, mas consciente dos obstáculos, retirando sempre o lado positivo para seguir em frente.
Era precisamente o que sempre pensei de ti, uma guerreira que nunca cruza os braços.
Ser mãe de meninas eu também adoro, mas adoro com a mesma intensidade ser mãe de meninos.
A batota fingi que não vi.
Gostei de conhecer um pouquinho mais de uma grande Mulher como tu.
Beijinhos
Maria disse…
Olha que há momentos, há dias, em que bem me apetece cruzar os braços mas essa nunca é a solução, pois não?

Tenho cá para mim que ser mãe de meninos me preencheria de igual forma, simplesmente nunca tive essa experiência...

Obrigada pelas palavras que me deixaste :)

bjs
mãeee disse…
Adorei ler este texto teu, em que o tema és tu! Revi-te em tanto ... és uma grande mulher, uma mãe que aquém e além estrelas, uma excelente amiga. Acima de tudo és uma pessoa fantástica e eu gmdt.
beijo
Magda E. disse…
Gostei imenso de te ler e conhecer um pouco mais de ti. Não foge em nada da imagem que tenho tua, que fui construíndo aos pouquinhos. beijinhos
Isa M. disse…
Olá, gostei de a "conhecer" mesmo não conhecendo. Também gostei muito da partilha do blog. Abraços e até breve
Vaca na Lua disse…
Já há muito que não comento, sabes bem mas, de repente, vi neste textinho uma conversa, que tu não te lembras, nas escadas do Instituto, com as devidas actualizações... Tal como nesse dia, toma lá um bjito directamente da Lua