segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

A Ti


sábado, 6 de dezembro de 2014

S. Nicolau

em modo Pai Natal :)

A espera

A chegada

Foi também dia de fazer a árvore

e o Presépio (onde não faltaram os porquinhos da Gabi ;) )


quinta-feira, 27 de novembro de 2014

Carta ao Pai Natal

Vai ser a 1ª da Gabi, com ajuda da mana para a escrever e depois muitos desenhos da mini (parece que tenho outra artista em casa...). D. Gabi, a decidida, já tem os seus pedidos muito definidos e assim, para o Natal ela quer:

- Umas pantufas
- Um xaxado*
- Um brinquedo (de preferência uma xinxesa rande**)

E é isto! ;)


*Rebuçado
**Princesa grande

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

sábado, 4 de outubro de 2014

Olá Mana

Tenho saudades tuas!
Das tuas loucuras, do teu riso, dos momentos mais sérios, das chamadas a desoras apenas porque te lembraste de qualquer coisa, como  pedir a receita da massa da tarte ou apenas para "dois dedos" de conversa.
Tenho saudades de te ouvir, da tua generosidade, da resposta pronta, das discordâncias e das concordâncias, do teu "Ò Maria Con!!" dito num tom tão próprio, tão teu, do saber-te sempre lá, longe mas tão perto, apenas à distância de um toque...
Sabes, ainda não fui capaz de te "largar a mão", ainda não te consegui deixar ir...
Fazes-me falta mana, tanta falta...

Um beijo daqui até aí, onde de certeza um dia nos voltaremos a encontrar!



sexta-feira, 5 de setembro de 2014

21 de Nós

Ainda que eu fale todas as línguas do mundo, se me faltar o amor, sou como um bronze que soa ou um sino que toca.
Ainda que eu tenha o dom da profecia e conheça todos os mistérios e toda a ciência, ainda que eu tenha uma grande fé, capaz de mover montanhas, se não tiver amor, nada sou.
Ainda que eu distribua todos os meus bens para alimentar os pobres e entregue o meu corpo às chamas, se me faltar o amor, de nada me serve.
O amor é paciente, é prestável;
O amor não é invejoso, não é arrogante, não é orgulhoso, não age com baixeza, não procura o seu próprio interesse.
O amor não se deixa levar pela ira; esquece e perdoa as ofensas.
Nunca se alegra com a injustiça e rejubila sempre com a verdade.
O amor tudo desculpa, tudo crê, tudo espera e tudo suporta.
O amor jamais passará.

(Saulo de Tarso - Carta de S. Paulo aos Coríntios)

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Chegaste!

E ali estavas tu, o meu bebé, o meu milagre! 
Senti-te tão grande em tudo aquilo que representavas e, ao mesmo tempo, tão frágil, tão pequenina… 
Parecia um sonho, um sonho imensamente bom repleto de espanto e incredulidade, quase precisei de me beliscar para ter a certeza que era verdade... 
Tem sido um privilégio ver-te crescer, ver a pessoa em que te tornaste.
Obrigada filha, por seres quem és, por seres como és!


                                                                                                                  Gosto-te! Para lá do infinito...



Parabéns, filha, pelos teus 18 anos!!!



Ainda ontem chegaste e já 18... 


segunda-feira, 9 de junho de 2014

Quando morre um irmão morre um bocadinho de nós...

Só se percebe verdadeiramente a importância das coisas ou das pessoas quando as perdemos. Quando as consideramos tão garantidas como o ar que respiramos, nem pensamos no seu valor. Não fazemos contas, assim como um milionário não faz contas para ir à mercearia nem sabe as oscilações do preço da bica. Com os irmãos é assim que as coisas funcionam. E é por isso que funcionam tão bem.

Nós não sabemos quanto vale um irmão. Nem pensamos nisso. Pensamos todos os dias no valor incomensurável dos filhos e dos pais, sabemos o quanto vale cada amigo, mas não contabilizamos os irmãos. É diferente com eles. É diferente porque os irmãos são de graça. Eles caiem-nos ao colo sem planeamento, sem poder de escolha, sem pensarmos nisso. Também é diferente porque nós crescemos com eles e crescemos juntos em tudo. Começamos desde pequeninos a lutar, a brincar, a discutir, a partilhar a casa de banho, o quarto, as meias, os jogos, os pais e os outros irmãos. Eles crescem a meias connosco e por isso acabam por ficar mais ou menos nós.

E é por isso que os irmãos nos conhecem melhor que os nossos pais ou amigos. Conhecem-nos os tiques, as fraquezas, os gostos e as sensibilidades; sabem o que quer dizer cada expressão nossa, aquilo que nos faz chorar e os limites da nossa tolerância. Também sabem que podem ultrapassar todos esses limites porque nada acontece, porque não há divórcios de irmãos. Os irmãos não prometem amar-se na saúde e na doença até que a morte os separe. Não precisam: quer prometam quer não, quer queiram quer não, é mesmo assim que vão viver.

Em todas as outras relações é preciso tempo. É preciso guardar tempo e ter tempo para estreitar laços, criar cumplicidades, ganhar confiança ou aprofundar as relações. Mas os irmãos não precisam de tempo. Nós gostamos dos nossos irmãos o mesmo que sempre gostámos apesar do tempo. Nem mais nem menos um bocadinho que seja. Podemos passar anos sem nos falar que não é por isso que as cumplicidades, os laços, a confiança (muita ou pouca) se esvanece. Os irmãos são imunes ao tempo, à distância ou às zangas e isso torna-os à prova de tudo.

Com os irmãos, ao contrário do que acontece com todas as outras pessoas, também não precisamos de falar: basta estar. Se falarmos e rirmos uns com os outros, melhor, é uma espécie de bónus; se discutirmos, melhor ainda: quer dizer que podemos, quer dizer que somos tão irmãos que até podemos discutir violentamente e continuar a ser irmãos. Até ao fim.

Eu tenho a suprema sorte de ter oito irmãos. Ter oito irmãos quer dizer ter oito melhores amigos, quer dizer ter oito pessoas que se atiravam a um poço para me salvar (espero...) e oito pessoas a gostar incondicionalmente de mim ao mesmo tempo. Já perdi dois deles, o mais velho e o mais novo. Perdi-os numa idade em que não se perdem irmãos e eles morreram estupidamente numa idade em que não é suposto morrer. Não foi quando eles partiram que eu tive consciência do valor de cada um deles, mas foi quando eles morreram que eu percebi que esse valor é incomensurável, que quando morre um irmão morre um bocadinho de nós. Percebi que há uma parte de nós que é só deles e essa parte desaparece com eles.

Sei perfeitamente que o melhor presente que dei aos meus filhos foi cinco irmãos a cada um, mas também sei que eles ainda não fazem ideia do valor de cada irmão. Por enquanto discutem mais do que aquilo que brincam, dividem mais do que aquilo que partilham e desconfio que teriam escolhido um cão e uma viagem à Eurodisney a um bebé novo, caso eu lhes tivesse dado a escolher. Mas os silêncios entre eles são cada vez mais frequentes e os silêncios entre irmãos são tudo.

O Dia dos Irmãos, que a Associação das Família Numerosas propôs que se passe a comemorar no próximo ano, é para celebrar tudo isto e é necessário comemorar tudo isto. Não é que os irmãos precisem de um dia, porque não precisam, é apenas por o merecerem. Os meus, pelo menos, mereciam um dia para cada um.

(Inês Teotónio Pereira, aqui)

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Matilde 6

E hoje é dia de festa!
Lá na nuvem M vai haver bolo, balões e muita brincadeira!!


Beijo grande, do tamanho do mundo, daqui até aí...

terça-feira, 15 de abril de 2014

As lágrimas que choro não são penas, são só sonhos...

Olá meu amor pequenino, minha Matilde...
Gosto-te hoje e sempre, assim, sem limites...

Beijo grande daqui até aí...



As lágrimas que choro
Não são penas, são só sonhos
Os olhos que choram
Lêem mundo, mil poemas

Só o amor consigo eu resolver...

Provei outro mar
Sequei outro sol
Vivi, confesso que vivi
Morri e renasci
Em ti
Por ti
Sem ti
Morri
Senti
Não desisti
Por ti

terça-feira, 8 de abril de 2014

Março...

De Março ficaram dias esquecidos, registos por fazer marcos por assinalar.
De Março ficou um vazio, uma perda, uma despedida por fazer...
Mais uma... 
Em Março perdi a minha referência, o meu exemplo, um pouquinho de mim...
Em Março vi partir a minha avó... para sempre...

domingo, 9 de março de 2014

Do Carnaval

Entre amendoeiras em flor e a tradição, assim foi este ano :)






Em Podence, onde ainda reinam os Caretos!

sábado, 8 de março de 2014

Mafalda 23!


Depois de um ano especialmente difícil espero que este seja em tudo diferente :)
Um beijinho grande e especial!!

terça-feira, 14 de janeiro de 2014

E o Google surpreendeu-me :)

 
Happy B day to mee!

sábado, 4 de janeiro de 2014

Gabriela 3

Três anos de ti!
Todos especiais, todos mágicos, todos únicos!

Parabéns, filha, por este terceiro aniversário!


Gosto de ti para lá do infinito...

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Para 2014

“Apesar de tudo amar. Apesar de tudo viver. Apesar de tudo sentir. Apesar de tudo arriscar. Querer apesar de tudo. Crer apesar de tudo. Insistir apesar de tudo. Ser apesar de tudo. Ir apesar de tudo. Apesar de tudo é o melhor conselho que alguém pode dar a alguém. Por mais coisas que nos faltem na vida há tantas coisas que não nos faltam na vida apesar de tudo.”

"In Sexus Veritas", de Pedro Chagas Freitas


Que o Ano de 2014 seja, apesar de tudo, melhor do que o que terminou...